Pais

Qualquer crise familiar traz consigo um processo de dor e cura. Se você já enfrentou uma crise familiar anteriormente – um divórcio ou a inesperada doença de uma criança, por exemplo – você provavelmente lembra da sensação de choque e descrença no início. Depois você provavelmente desejou que as coisas voltassem ao normal e, finalmente, que a família se adaptasse às mudanças. De algumas maneiras, o abuso sexual é como qualquer outra crise, e de outras, é diferente.

Se o seu filho ou filha sofreu abuso sexual, você pode ter algumas preocupações:

  • Como conversar com a criança sobre o que aconteceu. Conversar com seu filho ou filha sobre abuso sexual, não importa a idade da criança, é complexo. Você pode até se pegar com sentimentos complicados ou fazendo julgamentos sobre as ações de seu filho ou filha. Obter aconselhamento sobre como falar com a criança pode ajudar a melhorar a sua confiança.
  • Manter a criança segura. A maioria dos pais acredita que é seu dever manter seus filhos seguros. Quando uma criança se machuca, a maioria de nós sente essa responsabilidade sutilmente. Os pais tem uma variedade de reações. Alguns podem querer tirar a criança da escola imediatamente, enquanto outros não tem certeza sobre a acusação de abuso.
  • Seus sentimentos em relação ao(à) agressor(a). Quanto mais novo(a) for seu filho ou filha, é mais provável que você conheça o(a) agressor(a). Pode ser uma pessoa de confiança, como um(a) professor(a) ou treinador(a), um ente querido, outra criança ou adolescente, ou alguém com quem o seu filho ou filha esteja saindo. Quanto maior a sua ligação emocional com o(a) agressor(a), mais difícil se torna tomar decisões que sejam no melhor interesse seu e da criança. Encontrar alguém para apoiar você e os seus sentimentos pode ajudar.
  • Se a criança está fazendo falsas acusações. É raro uma criança inventar uma acusação. Elas podem, muitas vezes, contar histórias diferentes para pessoas diferentes. Isso pode ser porque estejam confusas ou com medo de como a pessoa irá reagir. É importante que você apóie a criança quando ela revela a experiência.
  • Fazer tudo melhor. Naturalmente, os pais não gostam de ver seus filhos sofrendo e muitas vezes querem que eles se sintam melhor rapidamente. Mas a recuperação após um abuso sexual leva tempo. Os pais podem ajudar aprendendo mais sobre o processo de recuperação e oferecendo à criança apoio incondicional. Os pais também podem ajudar reconhecendo sua própria dor e procurando ajuda para eles mesmos.
  • Como essa crise afeta seus outros filhos. Quando uma criança é abusada sexualmente, isso afeta toda a família. Você pode se pegar superprotegendo outras crianças. Você pode ter problemas para explicar o desequilíbrio emocional da criança e o seu, para seus outros filhos. Você pode se sentir cuidando demais da criança em crise e negligenciando as outras. 
  • Sua própria história traumática. Se você teve uma história de abuso sexual, isso pode trazer suas próprias lembranças e criar uma multiplicidade de estresses. Lembre-se de que você é tão merecedor(a) de ajuda por suas reações quanto a criança o é pelas dela.

A melhor maneira de cuidar do seu filho ou filha é cuidar também de você. Você vai precisar das suas próprias fontes de ajuda – amigos, parentes, ou serviços comunitários – para lhe ajudar a lidar com a recuperação do seu filho ou filha e de sua família.

Ajudando Adolescentes

Há várias coisas que você pode fazer por um(a) adolescente que foi abusado(a) sexualmente.

  • Escute: Muitas vezes, um(a) adolescente em crise só precisa de alguém que ouça a sua história. Você pode mostrar que está realmente escutando ao não julgar ou questionar o que está ouvindo.
  • Demonstre apoio: É natural que você tenha crenças e atitudes que serão desafiadas pelo que o(a) adolescente está lhe dizendo, mas neste momento, eles só precisam ser ouvidos, e não ouvir a sua opinião.
  • Deixe o(a) adolescente decidir sobre o que conversar: Não force o(a) adolescente a falar sobre coisas que ele(a) não está pronto(a) para discutir. Fale com calma e gentilmente.
  • Respeite a privacidade do(a) adolescente: Não conte para outras pessoas sobre o que aconteceu a ele(a), a não ser que tenha a autorização dele(a) para isso.
  • Lembre o adolescente de que você se importa: Você pode demonstrar carinho ao ouvir, ao falar com calma e gentilmente, ao acreditar e ao manter a mente aberta.

Entre em contato conosco. Nós podemos ajudar.

Copyright © 2018 Juntas!. All rights reserved | site by ebree.com